Nutricionista explica o porquê de se consumir proteína vegetal

Para Alessandra Luglio, os novos suplementos que estão surgindo no mercado brasileiro são alternativa clean, natural, hipoalergênica e sustentável

812

Diante de evidências clínicas e científicas, profissionais da área da saúde, praticantes de atividades físicas e pessoas preocupadas com o bem-estar passaram a entender melhor o papel essencial das proteínas na alimentação, e por isso o consumo de suplementos proteicos e o lançamento de novos produtos está aumentando consideravelmente. Os primeiros suplementos proteicos foram desenvolvidos a partir de fontes animais como a clara do ovo e o leite, e eram principalmente utilizados por praticantes de musculação para o ganho de massa muscular.

Atualmente o mercado aponta uma nova tendência de consumo. Os suplementos à base de proteínas vegetais estão chegando ao mercado como uma alternativa “clean”, natural, hipoalergênica e sustentável. “Com perfis de aminoácidos completos e ótima digestibilidade, suplementos com base na proteína de arroz, ervilha, cranberry e outros vegetais, são ótimas alternativas para quem busca seus benefícios, incluindo crianças e idosos”, aponta a nutricionista na Nutrawell, Alessandra Luglio.

As proteínas vegetais possuem todos os aminoácidos, inclusive os essenciais para manter o bom funcionamento do organismo. “Levando em consideração os hábitos alimentares modernos, ricos em alimentos refinados, açúcar e gorduras saturadas, associados à correria do dia-a-dia, é possível notar o desequilíbrio claro entre o consumo de fontes energéticas (carboidratos e gorduras) e fontes construtoras (proteínas, vitaminas e minerais)”, afirma Alessandra. Por isso, incluir no dia a dia um suplemento proteico, é uma forma prática de garantir o nutriente.

As versões de proteínas vegetais mais modernas seguem a atual tendência de produtos 100% naturais, minimizando o uso de corantes, aromatizantes, edulcorantes artificiais entre outros aditivos químicos, diferente da composição dos suplementos mais comuns, a base de proteína animal como o whey protein, caseína e albumina e até mesmo os vegetais que normalmente levam aditivos nas suas fórmulas. “Outra vantagem muito importante nos dias de hoje é o fato das proteínas vegetais utilizarem uma quantidade de recursos naturais como a água, solo, emissão de gases e outros muito menores do que as derivadas de animais, causando assim um impacto comprovadamente bem menor na saúde do planeta”, afirma a nutricionista.

Proteína Vegetal versus Soja
A soja é uma leguminosa muito proteica e sempre serviu de base para a elaboração de suplementos proteicos vegetais. Hoje, com a modernização dos processos industriais, é possível extrair a proteína de vários outros vegetais, desde frutas até outras leguminosas e cereais, o que ampliou a oferta e variedade de produtos.

Do ponto de vista nutricional, explica Alessandra, proteínas como as de arroz, ervilha, hemp (proibido do Brasil, mas muito comum nos EUA) e alguns outros vegetais oferecem algumas vantagens em relação à soja: possuem uma melhor digestibilidade não causando alguns inconvenientes desconfortos digestivos, que podem acontecer com o seu consumo. Além disso, a soja possui antinutrientes, ou seja, substâncias naturalmente presentes no grão que atrapalham a absorção de outros nutrientes. Já em outras proteínas vegetais, a quantidade de fatores antinutricionais é mínima, levando a uma maior assimilação e aproveitamento dos aminoácidos. “As proteínas de arroz e a de ervilha são ricas em BCAAs, aminoácidos importantes para praticantes de atividades físicas”, ela conclui.