Seis fatos que a ciência já provou sobre o abraço

941

Vamos combinar: um grande e forte abraço não pode fazer mal a alguém. A ciência prova que o carinho vai muito além da sensação de se sentir querido. Reunimos algumas pesquisas que comprovam científicamente os benefícios que o afago traz à saúde.

1. Abraços protegem contra os efeitos do estresse
Uma pesquisa feita pelo professor de Psicologia da Carnegie Mellon University, nos Estados Unidos, Sheldon Cohen comprovou que o abraço protege dos efeitos do estresse, da depressão e da ansiedade. O estudo foi publicado em 2014 na revista científica Psychological Science.

2. Diminuem os riscos de infecções
Durante a pesquisa sobre os efeitos dos abraços em pessoas estressadas, Sheldon Cohen entrevistou 404 adultos saudáveis e, durante 14 noites, indagou aos participantes por telefone sobre a frequência de conflitos interpessoais e abraços que receberam. Depois, as mesmas pessoas foram intencionalmente expostas a um vírus comum da gripe e submetidos a uma quarentena para avaliar os efeitos. Quem recebeu mais abraços teve reduzido o risco de infecções e também enfrentou melhor os conflitos que surgiram.

– Chegamos à conclusão de que quem recebe um abraço de uma pessoa em quem confia transmite mais apoio e aumenta a própria frequência de abraços. Percebemos também que o abraço reduziu os efeitos nocivos do estresse – disse Cohen.

3. Ajudam quem tem problemas para compartilhar emoções
De acordo com um estudo feito na Faculdade de Artes e Ciências da University of Missouri, nos Estados Unidos, pessoas que sofrem com alexitimia _ termo utilizado para designar quem tem dificuldade em verbalizar emoções e descrever sentimentos _ podem ser beneficiadas pelo abraço. Em um estudo, publicado em 2011 na revista científica Personality and Individual Differences, pesquisadores dessa instituição mediram o afeto compartilhado em 921 pessoas diagnosticados com alexitimia.

Ainda que eles tenham problemas para se relacionar, a comunicação mais afetuosa aliviou a aflição que essas pessoas sentiam e que gestos como o abraço fizeram com que elas liberassem hormônios que aliviam o estresse.

4. Abraço de mãe diminui a ansiedade das filhas
comprovou algo que tem sido dito há muitas décadas: o abraço de mãe é um santo remédio para quem está passando por uma situação de estresse. Em 2010, Seltzer reuniu um grupo de sete meninas, todas com 12 anos, e pediu que elas resolvessem uma série de problemas matemáticos em frente a pessoas que não conheciam.

Enquanto elas participavam do exercício, o ritmo de seus corações e os níveis de cortisol – hormônio associado ao estresse – foi medido. Um terço das meninas foi consolada com um abraço de suas respectivas mães, um segundo grupo recebeu uma ligação das mães e o terceiro não interagiu. O efeito benéfico foi o mesmo entre as adolescentes que ganharam abraço e as que falaram ao telefone. O nível de oxitocina, conhecido como o “hormônio do amor” ou o “hormônio da felicidade”, aumentou significativamente nas participantes dos dois grupos e continuo fazendo efeito depois que o exercício foi finalizado.

5. Reduzem a pressão arterial
Em 2013, um estudo da Universidade Médica de Viena, na Áustria, liderado pelo neurofisiologista Jürgen Sandkühler, comprovou que abraçar alguém pode, além de promover o bem-estar, reduzir a pressão arterial e melhorar a memória. No entanto, o efeito só se manifesta se o ato de afeto é feito por alguém de confiança. A “culpa” é da oxitocina liberada no organismo. O hormônio, quando presente na corrente sanguínea, reduz a pressão arterial e diminui a sensação de estresse e ansiedade.

– Nossa pesquisa mostrou que o efeito positivo só ocorre se as pessoas confiam uma nas outras – explicou Sandkühler.

Mas atenção: a mesma pesquisa percebeu que abraçar estranhos tem efeito estressante.

6. Aliviam a dor
Na Universidade da Carolina do Norte, nos EUA, a psicóloga Karen Grewn também pesquisou sobre os efeitos do abraço e comprovou que o carinho pode aliviar a dor. Ela e sua equipe recrutaram mulheres que sofrem com enxaqueca e, durante os testes, as participantes relataram melhora significativa na dor de cabeça. A conclusão de Grewn foi de que os cérebro recebe primeiro os sinais de alívio em relação à sensação de dor.