Veja dicas de especialistas para vencer a insônia e ter uma boa noite de sono

0
109

A insônia é uma doença que afeta entre 10% a 25% da população adulta, de acordo com a Anvisa, e é identificada pela dificuldade de iniciar o sono e mantê-lo durante a noite. Enquanto a maioria está dormindo, outros rolam de um lado para outro na cama e sentem-se, normalmente, angustiados por não conseguir ter uma boa noite de sono.

A insônia é um transtorno que costuma atingir mais as mulheres do que os homens. A auxiliar de laboratório, Priscila Ferreira Vieira, de 37 anos, por exemplo, conta que quando ela está ansiosa, fica mais difícil para dormir.

“Tudo fica desregulado, a alimentação fica diferente, porque eu troco o dia pela noite. Fico com muita dor de cabeça, fico com estresse, impaciência… tudo piora nesta situação.”

Esses episódios de insônia podem estar relacionados a diversos fatores e variam de pessoa para pessoa. De acordo com a psicóloga Cynthia Yurgel, para ser diagnosticado com algum distúrbio do sono é preciso que um especialista analise os sintomas e as possíveis causas que estejam motivando a continuidade do sono.

“A avaliação de um profissional é extremamente importante. Por que as pessoas costumam muito se automedicar, tomam ansiolíticos, antidepressivos, enfim, medicações para ter um sono, que não necessariamente, seja reparador. Então o sono é muito importante porque a falta pode ocasionar mau humor, irritabilidade, falta de atenção, e muitas outras situações, né?”

O neurologista Raimundo Nonato Rodrigues, do Departamento Científico de Medicina do Sono da Academia Brasileira de Neurologia (ABN), conta que a insônia causa diminuição na capacidade de concentração e explica como o cérebro funciona depois de dias de privação de sono.

“O cérebro é como se ele estivesse invertido: durante a noite ele trabalha excessivamente e durante o dia ele trabalha menos do que deveria. Nós temos oito horas para o trabalho, nós temos oito horas para o sono e nós temos oito horas de lazer. Se nós conseguirmos equilibrar essas coisas, nós vamos manter um ritmo de vida saudável o bastante para afastarmos ou quem sabe até, no mundo ideal, eliminarmos a possibilidade de o indivíduo ter uma insônia séria.”

O importante é saber que o corpo funciona como se fosse um relógio, então quando chega a hora de dormir ele prefere ambientes que relaxem. O ideal é ter pouca ou nenhuma luz antes e durante o sono. Outra dica é evitar ficar na cama para fazer atividades que não relaxem o corpo, afinal, o cérebro pode associar o ambiente com preocupações.

Além disso, o Ministério da Saúde recomenda evitar celular e tablet por, pelo menos, 30 minutos antes de dormir. Colocar os alarmes de mensagens e redes sociais no modo silencioso também é uma boa. Outra coisa que atrapalha é a TV. É bem comum as pessoas ficarem mais eufóricas com sons e imagens. Então, antes de dormir, ficar com a TV ligada vai fazer com que seu cérebro trabalha mais em um momento que ele deveria estar descansando.

É preciso ficar atento também com a alimentação. O ideal é que a última refeição seja feita duas horas antes de dormir e, de preferência, evitando comidas pesadas e muito gordurosas, porque durante a noite a digestão é mais lenta. Nada de comer feijoada, frituras, lanches muito elaborados ou tomar café.