SUTRAF-AU presta homenagem à Paulina Balen

164

O Sindicato dos Trabalhadores na Agricultura Familiar do Alto Uruguai (SUTRAF-AU) prestou homenagem à Paulina Pagliari Balen na noite desta terça-feira (19). O ato contou com a presença de inúmeras lideranças políticas, sindicais e religiosas da região, além de amigos e familiares da homenageada.

Paulina Pagliari Balen foi uma liderança comunitária, religiosa, sindical e política no Município de Aratiba e na região do Alto Uruguai nas décadas de 1970 a 1990. Agricultora familiar, nascida em 1947, foi brutalmente assassinada em 1996 pela sua luta em favor de justiça social, das bandeiras como aposentadoria para as mulheres, pela sua militância junto as entidades. Crime até hoje nunca esclarecido pela justiça.

A homenagem iniciou com a denominação da turma do Curso de Formação que está em andamento e que decidiu usar o nome: Turma Paulina Pagliari Balen. O Curso está sendo desenvolvido em oito módulos, ocorrendo entre 2018 e 2019. Conforme o coordenador geral do SUTRAF-AU, Douglas Cenci, essa denominação se deu pelo histórico de luta de Paulina, uma mulher à frente do seu tempo na época.

Familiares emocionaram-se com a homenagem
Participaram da homenagem o marido de Paulina, Zelindo Balen, seus filhos Marcia Balen (residente de Erechim) e Silvio Balen (residente em Chopinzinho-PR), além de dois netos e uma irmã. A terceira filha de Paulina, que reside no Acre, não pode se fazer presente, assim como demais integrantes da família.

O evento contou com um resgate histórico, realizado pelos integrantes da turma e por amigos do Município de Aratiba e região, que cantaram canções da época, explanaram opiniões políticas. Além disso, foi entregue um mimo aos familiares presentes. “Isso ajuda a confortar a dor da família que ainda persiste e nos anima também pelo reconhecimento da luta que ela fez em favor de todos. Mesmo não sendo beneficiada pela aposentadoria rural, ela lutou pela causa de todas as mulheres. Hoje muitas mulheres colhem os frutos da luta de Paulina e outras pessoas que tombaram em defesa dos nossos direitos”, disse na homenagem a filha Márcia.

O coordenador do SUTRAF-AU também agradeceu a presença dos presentes e disse ser um momento propício para homenagem, um reconhecimento à sua luta e o legado deixado a todos. “O SUTRAF é filho da luta histórica de muitos companheiros e companheiras. Paulina foi uma pessoa destacada, que mesmo com limitações financeiras, nunca se omitiu de fazer algo a mais do que estivesse ao seu alcance. O exemplo dela e seu assassinato deve nos indignar e inspirar a continuar a luta em defesa da Agricultura Familiar. Nosso reconhecimento significa que os sonhos de Paulina continuarão sendo sonhados e colocados em prática por cada dirigente do SUTRAF, por cada membro da turma e de cada um que conviveu com ela”, finalizou.

Conheça a história de Paulina Pagliari Balen
• Nasceu em Linha Auxiliadora – Aratiba em 27 de dezembro de 1947; casou-se com Zelindo Balen. Teve 4 filhos: Mauro (in memória), Marcia, Silvio e Simone. Teve 6 netos;

• Forte atuação na Igreja Católica, por meio da militância na liturgia dominical e catequese e no trabalho cotidiano junto à comunidade;

• Participou ativamente na fundação e atuação do Movimento das Mulheres Trabalhadoras Rurais de Aratiba e do Alto Uruguai, lutando pelos direitos da mulher, especialmente aposentadoria rural;

• Atuou ativamente junto ao Sindicato local, lutando pela saúde e ajudando na articulação e compra do Hospital de Aratiba;

• Atuou na fundação do Partido dos Trabalhadores em Aratiba, sendo a primeira candidata mulher no município. Fez 136 votos em 1988, fazendo campanha a pé, enfrentando o preconceito por ser mulher e a guerra ideológica na época contra o PT;

• Aos 39 anos perdeu seu filho Mauro José com apenas 16 anos de idade, um golpe violento, para quem sempre fez o bem à comunidade. Mesmo assim não desanimou;

• Em 08 de outubro 1996, sua vida foi brutalmente interrompida por um assassinato até hoje não explicado;

• 29 de dezembro de 1997, a família teve a casa queimada.